23.1.09

lar, doce lar



entre...

acordar cedo, ir em passo rápido para a escola de manhã, ter blocos de noventa minutos de disciplinas diferentes, tentar participar o máximo em cada uma, evitar falar para o lado ou escrever SMS's, ter tempo para me abstrair por escassos minutos e escrevinhar coisas que me vêm à cabeça, ir numa correria até lá abaixo ao café comer uma sandocha enquanto posso falar, falar, falar, falar, falar, ouvir, ouvir, ouvir, ouvir, ouvir (tudo isto em velocidade dupla para que não escape nada), e toca a subir mais três andares para não levar falta de atraso, almoçar com tempo para dois dedos de conversa e gargalhadas pelo meio, ter mais uma aula à tarde, para depois comer qualquer coisa que engane a fome enquanto penso no que tenho de estudar, ir para casa estudar, passear no blog, fazer trabalhos de casa, trabalhos para entregar, relatórios e/ou resumos, pôr a mesa, "olá mãe, como é que foi o teu dia?", falar falar falar, comer de uma assentada, arrumar a cozinha e deitar-me a ler (ufa, custou)
...costumo ter pouco tempo para ficar a pairar no meu "groove mental".



hoje é sexta-feira, e fico contente por isso.

mas, de qualquer das maneiras, hoje tive uma estranha sensação de "lar, doce lar". não sei explicar. perdi-me numa memória e, por instantes, senti-o no corpo: algo que me soube familiar, meu, que já tive e não me lembrava.

não sei explicar. não é fácil definir. era tipo mel. talvez toda a gente já tenha sentido isto mas, sendo tão difícil de explicar, ninguém fala sobre isso. achei que publicar um texto sobre isto faria sentido. talvez...

9 comentários:

Nervermind disse...

Eu até acho que compreendo, há uns tempos tava deitado a ouvir musica bue calma e veio-me assim uma grande torrente de pensamentos alegres que não sei de onde raio vieram. Tava alegre por ser eu, por estar naquela cama, por tudo estar bem(apesar de não estar) e tudo ser bom (apesar de não ser). Isto acabou tão depressa como tinha começado, mas fiquei mais alegre e no dia seguinte acordei bue bem disposto.
Uma explicação uma beca atabalhoada, mas acho que é a mesma coisa que o que descreveste, ou parecido.

Jone disse...

A estranheza pode parecer irritante, mas causa um impacto tão forte, que passamos a ver que ela é prazerosa, ainda mais quando lembramos de coisas que nos deixavam alegres.
Acho que é isso, só uma visão minha.

bjo.

Alex Vaz disse...

rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina rotina

dont you just love the unexpected

JFar.a.day disse...

(Depois de ter sido acusado de não comentar o teu blog, resolvi passar por cá, hoje que tenho tempo)

É de facto um sentimento desconcertante, assalta-nos quando menos esperamos,faz-nos sentir bem e ao mesmo tempo mal (por saber que não está tudo bem) e depois foge, escapa-se por entre os dedos e somos deixados com o "quero mais por favor" ,e a vida, que é tipo aquela cena muito conhecida do Oliver Twist, pega na sua enorme colher de pau e da-nos com ela na cabeça. Conclusão ficamos com fome e com dor de cabeça, mas pronto, agora que já divaguei, sim já senti isso muitas vezes, não és, de todo, a única.

Bjo

JFar.a.day disse...

Aparentemente não dá para fazer edições aos comentários que fazemos pelo que deixo aqui um ps, o meu à muito em projecto blog já começou :
http://disfuncaoderealidade.blogspot.com/

Mike Roludo disse...

He has already imagined sleeping, taking a beating? Me and my friend Hector Bonilla and his wonderful violist Madruga Ramalho, number one, we'll give you a beating, a beating and now is, and will see his sweaty swing bamba Cipó urination. Yes, you will beat the coils of the template-Cu Lasca!

quem? disse...

oi mike?

Mike Roludo disse...

hello, okay?
I like to see the snake of smoke, hear the shots of popcorn, while the old is masturbating in the street. The sour smell of the sweet girl priquito that smell of burnt meatball in the center of the time I did not know not!
It is an agony, and the dog at night, day, and eating away beneath a sink.

C disse...

às vezes temos tantas coisas para fazer que nem temos tempo para respirar!

por vezes, isso acontece-me. nas férias quando estou deitada numa esperguiçadeira ou na toalha, a ouvir o meu mp3, penso de como é bom aquele momento. por mais simples que seja é óptimo. é como se tudo parasse e fossemos só nós os três (eu, a música e os meus pensamentos :D).
mas é dificil estarmos assim e às vezes é preciso alguma coisa para isso acontecer e nos sentirmos "realizadas"... embora nunca me sinta. acho que é dificil. há sempre qualquer coisa que falta...

mas o teu blog ajuda a isso :p

beijinhos

p.s. obrigada pela resposta ao outro comentário! sou a catarina, de lá do colégio :D amiga do teu primo.